Marcos Roriz $:

Pessoal, Geek, Anime, Jogos, Ciência da Computação e Open Source…

Posts Tagged ‘Linux

SUSE Studio

with one comment

SUSE Studio é o que eu chamo de revolução. Sim, na minha opinião o melhor software do ano disparado. A Novell novamente saiu na frente, e montou um esquema ‘monstro’. O SUSE Studio de maneira geral permite você criar uma distribuição Linux na web, escolhendo os pacotes, customizá-lo usuário, scripts, banco de dados, servidor apache, adicionar arquivos, etc, e gerar/exporar uma imagem iso, livecd/livedvd, imagem para máquina virtual. E mais, permite você acessar/testar a distribuição criada na web (via applet+flash). Ou seja, você escolhe e já configura o seu SO na web. E quando rodar ou instalar já vai tar tudo configurado. Isso é ótimo por exemplo, eu preciso de um ambiente java então já vou carregar um SO com todas as aplicações que preciso etc no meu pendrive. Além de a iso ser construída pelas máquinas monstros da Novell, você só vai baixar a imagem final. Você ainda pode gerar várias versões do mesmo SO.

SUSE Studio

SUSE Studio

Configurando pacotes do SO

Configurando pacotes do SO

SO rodando na web

SO rodando na web

Agora partindo para um termo mais técnico, tentarei explicar porque isso é fantástico.

O SUSE Studio permite você criar appliances (termo novo que descobri!) que são aplicações combinadas com basicamente um pedacinho do SO para executálas. Usadas tipicamente para virtualizar aplicações. O objetivo de uma appliance segundo o Miguel de Icasa é:

  • Fazer uma tarefa bem feita.
  • Requisitar um pequeno setup e SO.
  • Vem como uma unidade isolada.

Exemplo: Você quer um SO Linux junto com o NetBeans, então você não precisa de tudo etc, basta ter algumas coisinhas.  Então você monta uma distribuição contendo esse pacote. Isso também é util para empresas que querem distribuir uma versão do seu software já configurada para o seus clientes. Uma empresa já pode distribuir uma versão configurada de um LAMP… rodando ‘redondinho’. Evitando assim ‘erros’ de configuração pois tudo já estará integrado, testado e funcionando na sua appliance.

Isso evita erros de configuração das aplicações nos usuários, pois o ambiente já estará previamente adequado e configurado para a execução de uma determinada aplicação. Em um futuro breve eu acredito que a Novell irá permitir compartilhar as nossas appliances além de permitir que a mesma seja editada por vários usuários. De uma forma de outra essa evolução da Novell tornará a vida de usuários desktop mais simples e também dos desenvolvedores. Para entrar no SUSE Studio você tem que preencher seu email na página deles e esperar eles liberar o acesso, pois o SUSE Studio ainda está limitado a um número de usuários. O acesso deve ser liberado de um a dois dias.

Referências:

SUSE Studio is out – Miguel de Icasa

Written by marcosroriz

August 5, 2009 at 11:28 am

Posted in Linux, Open Source

Tagged with ,

Qual a melhor distribuição GNU/Linux?

with one comment

Quando iniciamos no mundo GNU/Linux perguntamos ansiosamente e repetidamente “Qual a melhor distribuição GNU/Linux?”. Essa pergunta geralmente possui diferentes respostas, como:

  • “Para servidor use Debian/Red Hat”;
  • “Para desktop Fedora/Ubuntu”;
  • “*Buntus são pesados use Slackware ou Gentoo”;
  • “Para desenvolver dotNet/Mono nada melhor que openSuse”;
  • “Use o Arch Linux ou o Gentoo caso queira bleeding edge”;
  • E finalmente a resposta certa: “A que melhor se adequar a você no momento/atividade

A última resposta é a correta, porém, só com o tempo conseguimos amadurecer e compreender essa resposta. A partir das outras respostas começamos a famosa etapa conhecida como ‘distro hopping’. Que basicamente é pular de distribuição em distribuição até achar uma que seja sua cara. Depois de algum tempo e de passar por várias distribuições você adquire uma maturidade para compreender melhor o que é uma ‘distribuição GNU/Linux’.

Distro Hopping - Pular de Distribuições

Distro Hopping - Pular de Distribuições

Com o passar do tempo a distribuição torna-se cada vez mais invisível, e visualizamos a mesma como o resultado da integração de diferentes softwares. E nessa etapa que visualizamos que a resposta a pergunta, “Qual a melhor distribuição Linux?”. A resposta é “A que melhor se adequar a você no momento/atividade”. Uma distribuição GNU/Linux nada mais é do que integração de vários softwares. Se você quer rodar um servidor a melhor opção é uma distribuição que integre softwares estáveis. Se você quer rodar um sistema bleeding edge, “softwares mais recentes – porém mais fácil de se cortar (dar pau)”, use uma distribuição que lhe ofereça esse serviço. Outro exemplo, “Tenho que trabalhar com desenho”, qual distro integra os softwares que eu uso de maneira mais satisfatória?

Outra parte interessante é que as distribuições quase não diferem na configuração dos softwares (arquivos de configuração de software). Essa semelhança é devido as distribuições integrar geralmente os mesmos softwares. Ou seja, a verdadeira diferença é como os softwares são integrado e não na sua configuração, i.e., como os vários softwares são integrados entre si. Uma distribuição pode fornecer ferramentas para integrar e configurar um software no qual outra não distribui. Porém como a configuração do software geralmente é a mesma não existe vantagem em usar uma distribuição sempre para especializar nela.

A partir dessa análise usamos as distribuições como ferramentas, e não como religião. Essa é a chave da questão. Também gostaria de ressaltar a importância de rever as distribuições e não estagnar em somente uma. As distribuições não são estáticas, a cada dia surge novas distribuições ou surge novos softwares que adéquam uma distribuição a um uso ou não. No momento estou usando o Arch Linux por ser a distribuição que se adequá a minha vontade de usar softwares o mais recente possível, porém mesmo usando eu sempre fico de olho em outras distribuições que possam me servir (Fedora, Debian, *Buntus, OpenSuse, etc…).

Written by marcosroriz

June 7, 2009 at 11:35 pm

Posted in Linux, Open Source

Tagged with ,

code_swarm – A evolução de um software em vídeo.

leave a comment »

Navegando pela internet me deparei com um vídeo que demonstrava a evolução do apache. Após olhar os comentários descobri que o software responsável por gerar esse vídeo é o code_swarm.
De maneira sucinta o code_warn realiza a seguinte tarefa:

  1. Pega o activity log do seu sistema de versionamento (SVN, CVS, GIT, etc…).
  2. Converte esse arquivo para um arquivo que o code_swarm consegue ler.
  3. Executa o code_swarm.
  4. Gera um vídeo das imagens exportadas.

O programa é feito em java, e usa o ant, então roda em qualquer SO que possua uma máquina virtual Java. Abaixo alguns vídeos interessantes gerados pelo code_swarm:

code_swarm do código do eclipse:

code_swarm do código do apache:

Written by marcosroriz

April 24, 2009 at 12:15 am

Posted in Linux, Open Source

Tagged with , ,

Descomplicando o Bluetooth em notebook Toshiba / HP e melhorando o gerenciamento a dispositivos bluetooth.

leave a comment »

Se você possui um notebook toshiba satellite / hp e usa uma distribuição GNU/Linux  provavelmente já teve dores de cabeça para usar o bluetooth. Prepare-se nesse texto você vai encontrar uma solução concisa para esse problema. O segredo consiste em instalar um módulo chamado omnibook que de uma maneira geral habilita uma série de ferramentas do notebook, como:

  • Controle (ativação) do Bluetooth
  • Controle (ativação) do Touchpad
  • Habilita teclas Multimídia do Notebook (Ex: Teclas de Som do notebook)
  • Monitoramento da temperatura da CPU
  • Monitoramento das rotações da CPU
  • Monitoramento da Bateria
  • Monitoramento do adaptador AC

O site do projeto Omnibook se encontra aqui (SourceForge), mas parece que o projeto encontra-se meio morto com atualizações somente no SVN. Para facilitar a instalação do módulo existe alguns pacotes, entre eles, .deb para distribuições Debian e derivadas e também existe um pacote no aur do Arch Linux. Mas nada impede que você compile o módulo, basta ter uma suíte básica de compilação (gcc, g++, make, flex) e os cabeçalhos (headers) do kernel em uso. Além do Omnibook também vamos instalar o Blueman, que irá facilitar a nossa vida ao gerenciar dispositivos bluetooth.

O Blueman é de uma maneira concisa na minha opinião o melhor gerenciador de bluetooth disponível no Linux. Ele fornece uma interface amigável e intuitiva para configurar e usar o seus dispositivos bluetooth. A descrição do próprio website o trata como:

Blueman é um Gerenciador de Bluetooth em GTK+

Blueman foi criado para ser simples e intuitivo para tarefas diárias de bluetooth como:

  • Conectar a 3G/EDGE/GPRS via perfil DUN
  • Conectar/Criar rede de bluetooth
  • Conectar a dispositivos de entrada
  • Conectar a dispositivos de áudio
  • Enviar/Receber/Navegar arquivo via OBEX
  • Pariamento

Blueman também integra com o Network Manager 0.7, fazendo qualquer Rede de Bluetooth também disponível para o Network Manager.

Blueman

Uma tela do Blueman

Siga a seção para a que mais se aproxima da sua distribuição:

Caso você utilize o Debian ou derivadas (Ubuntu, Linux Mint, etc…)

Instalando o Omnibook

1) Visite esse site: http://packages.kirya.net/ e adicione o repositório sid do mesmo no seu apt-sources (basta usar um editor de texto (vim, nano, gedit) e inserir a linha abaixo no arquivo /etc/apt/sources.list):

deb http://packages.kirya.net/debian/ sid main contrib non-free

2) Após adicionar o repositório no seu apt-sources list execute o seguinte comando para ativar a chave gpg e poder usar o repositório de forma confiável:

$ wget -O - http://packages.kirya.net/Kirya.netDebianpackagesVerificationKey.asc | apt-key add -

3) Agora atualize o apt e instale o pacote omnibook-source e module-assistant:

$ sudo apt-get update

$ sudo apt-get install omnibook-source module-assistant

$ sudo m-a a-i omnibook-source

4) Nós precisamos assegurar que o módulo carregue durante a incialização do sistema, então edite o arquivo /etc/modules e adicione a linha omnibook no seu fim.

$ sudo nano /etc/modules

e adicione omnibook no fim do arquivo

5) Nós também precisamos de ter um arquivo chamado omnibook em /etc/modprobe.d e nesse arquivo nos colocamos a configuração do nosso módulo. Então crie o arquivo /etc/modprobe.d/omnibook com a seguinte linha:

options omnibook ectype=14 userset=0 lcd=0 display=0 blank=0 battery=0 ac=0 bluetooth=1

6) Pronto, o módulo será carregado após reiniciar o computador, você também pode carregar manualmente o módulo agora sem reiniciar o computador, basta executar o comando:

$ sudo modprobe omnibook ectype=14

Agora vamos instalar o Blueman.

Infelizmente os pacotes binários .deb do Blueman só funcionam para o Ubuntu e seus derivados, excluindo então Debian, Dream Linux e outros. Se você utiliza uma dessas distribuições que não possui pacotes binários .deb siga para a seção Instalando pelo código fonte do Blueman.

1) Visite o website https://edge.launchpad.net/~blueman/+archive/ppa, e adicione o repositório da versão da sua distribuição (Hardy, Intrepid…). Adicione também a chave. Tá tudo explicadinho lá de como fazer isso, qualquer dúvida poste nos comentários. Esse repositório contém além do blueman todas as dependências dele.

2) Agora é só atualizar os repositórios e instalar:

$ sudo apt-get update

$ sudo apt-get install blueman

3) Pronto o blueman já irá ser inicializado dá próxima vez que o Gnome for inicializado. Lembre-se que é necessário reinicializar para o módulo omnibook entrar na “ativa”. Ou carrega-lo manualmente para poder ter o bluetooth agora sem ter que reinicializar o computador.

Caso você utilize o Arch Linux

Instalando o Omnibook

1) Antes de tudo verifique a versão do seu kernel, provavelmente teremos que editar o valor da variável do kernel no PKGBUILD com o valor da sua versão do kernel:

$ uname -r

2) Basta baixar o pacote omnibook-svn do AUR ou se tiver o yaourt usar o comando:

$ yaourt -Sy omnibook-svn

3) Caso seja necessário modifique a seguinte linha do PKGBUILD para ser igual a do seu kernel.

_kernver=2.6.28-ARCH

para

_kernver=Saída do comando uname -r

4) Agora continue a instalação no yaourt, ou caso tenha baixado o pacote manualmente do AUR digite o comando:

$ makepkg

Se você baixou manualmente o pacote no AUR vai ser gerado um pacote tar.gz no diretório do pacote, basta instalar com o comando, com root digite:

# pacman -U omnibook-svn-280-1-i686.pkg.tar.gz

5) Vamos automatizar a inicialização do módulo durante o boot. Adicione o módulo omnibook para a lista de módulos a ser carregado no arquivo /etc/rc.conf. Então edite o arquivo /etc/rc.conf com seu editor de texto favorito (vim, nano). Também adicione o daemon bluetooth para a lista de DAEMONS.

MODULES=(ipv6 fuse ... omnibook)

DAEMONS=(syslog-ng hal ... bluetooth)

6) Nós também precisamos de ter um arquivo chamado omnibook em /etc/modprobe.d e nesse arquivo nos colocamos a configuração do nosso módulo. Então crie o arquivo /etc/modprobe.d/omnibook com a seguinte linha:

options omnibook ectype=14 userset=0 lcd=0 display=0 blank=0 battery=0 ac=0 bluetooth=1

7) Pronto, o módulo será carregado após reiniciar o computador, você também pode carregar manualmente o módulo agora sem reiniciar o computador, basta executar o comando:

$ sudo modprobe omnibook ectype=14

Agora vamos instalar o Blueman.

1) O pacote blueman se encontra no repositório community do pacman, logo, basta usar o comando:

# pacman -Sy blueman

2) Pronto o blueman já irá ser inicializado dá próxima vez que o Gnome for inicializado. Lembre-se que é necessário reinicializar para o módulo omnibook entrar na “ativa”. Ou carrega-lo manualmente para poder ter o bluetooth agora sem ter que reinicializar o computador.

Instalando pelo código fonte

Instalando o Omnibook

Você vai precisar de no mínimo os seguintes itens:

  • GCC
  • G++
  • Cabeçalho do seu Kernel (HEADERS)
  • Subversion (SVN)
  • OpenSSH
  • Provavelmente: Build-Essential / Base-Devel ou algo parecido da sua distro

Aconselho fortemente que você use esses programas bases da sua distribuição, para evitar conflito na hora de compilar o módulo (Ex: você tem o GCC mais novo e o seu kernel foi compilado com uma versão mais antiga do GCC, etc…)

1) Vamos criar um diretório para colocar o código fonte:

$ mkdir ~/src

2) Vamos entrar no diretório e dar checkout do código:

$ cd ~/src

$ svn co https://omnibook.svn.sourceforge.net/svnroot/omnibook/omnibook/trunk omnibook

3) Vamos entrar no diretório do código fonte do omnibook:

$ cd omnibook/

4) E vamos compilar o código e instalar o código, digite:

$ make

$ su

# make install

5) Agora temos que automatizar a inicialização do módulo durante o boot. Dependo da estrutura da sua distro o modo de como ela organiza quais módulos serão inicializados irá variar:

  • Debian e derivadas (Ubuntu, Linux Mint…)
    • $ sudo nano /etc/modules
    • Adicione omnibook no fim do arquivo
    • Crie o arquivo /etc/modprobe.d/omnibook
    • Adicione ao arquivo a linha:
    • options omnibook ectype=14 userset=0 lcd=0 display=0 blank=0 battery=0 ac=0 bluetooth=1
  • Fedora, Red Hat e CentOs
    • $ sudo nano/etc/modprobe.conf
    • Adicione no arquivo a linha:
    • options omnibook ectype=14 userset=0 lcd=0 display=0 blank=0 battery=0 ac=0 bluetooth=1

Agora vamos instalar o Blueman.

1) Dependências

Dependências de Compilação

  • glib2.0
  • gtk >= 2.12
  • startup-notification
  • python-gobject
  • bluez >= 4.0
  • intltool
  • python2.[5,6]-dev
  • pyrex >= 0.9.8.0

Dependências de Execução:

  • python >= 2.5
  • dbus
  • bluez >= 4.25
  • obex-data-server >= 0.4.3
  • python-notify
  • python-gtk2 >= 2.12
  • python-gconf (opcional)
  • python-dbus
  • python-gobject
  • policykit-gnome, policykit-kde ou qualquer frontend para o policykit
  • notification-daemon ou qualquer outro engine compativel com libnotify.

OBS: Sugiro que utilize o gerenciador de pacotes da sua distribuição para tentar resolver as dependências.

2) Após resolver as dependências, baixe o código fonte daqui.

3) Extraia o arquivo .tar.gz e rode os comandos:

$ ./configure --prefix=/usr --sysconfdir=/etc

$ make

$ su

# make install

4) Pronto o blueman já irá ser inicializado dá próxima vez que o Gnome for inicializado. Lembre-se que é necessário reinicializar para o módulo omnibook entrar na “ativa”. Ou carrega-lo manualmente para poder ter o bluetooth agora sem ter que reinicializar o computador.

Referências

Ubuntu Hardy 8.04 on Toshiba Satellitehttp://docs.google.com/View?docid=dgd53r6d_36hqmmh4hn

Blueman Projecthttp://blueman-project.org/

Linux on Laptopshttp://www.linux-laptop.net/

Written by marcosroriz

April 20, 2009 at 12:34 am